Tensão Pré-Menstrual

A tensão pré-menstrual (TPM), também conhecida por síndrome pré-menstrual, é uma disfunção neuropsicoendócrina com suporte físico que afeta muitas mulheres, desde a adolescência até à menopausa, e se manifesta através de uma série de alterações físicas e comportamentais no período que antecede a menstruação. Embora ainda não se saiba ao certo o que a provoca, acredita-se que a TPM tenha origem num desequilíbrio hormonal, próprio desta altura do mês. Certo é que nem todas as mulheres a sentem da mesma forma e com a mesma intensidade, embora possa ser, pelos sintomas que provoca, uma condição particularmente desconfortável, capaz de interferir com as rotinas diárias de quem dela sofre, tanto a nível social como profissional.

Sintomas da tensão pré-menstrual

A TPM começa geralmente a manifestar-se durante a segunda metade do ciclo menstrual, 14 ou mais dias a seguir ao primeiro dia da última menstruação, e desaparece um ou dois dias depois da menstruação seguinte.  
Pode provocar uma série de sintomas de ordem física, como desconforto abdominal, dores de cabeça, fadiga, tensão mamária, acne, náuseas, vómitos, retenção de líquidos, sensação de inchaço, aumento de peso e dores musculares ou articulares.
Existe ainda uma forte componente psicológica, que a torna igualmente manifestável através de variações de humor, ansiedade, irritabilidade, alterações no apetite (verifica-se, por exemplo, com frequência, nesta altura, a compulsão pela ingestão de chocolates e outros doces), distúrbios do sono, dificuldades de concentração e sentimentos de depressão ou tristeza.

Voltar ao início

Como tratar a tensão pré-menstrual

Tendo em conta a diversidade e variação de intensidade dos seus sintomas, não se pode dizer que exista um tratamento específico para a TPM. Os sintomas são, por norma, tratados a nível individual, não dispensando os casos mais graves o acompanhamento especializado de um médico ginecologista ou psiquiatra. Há, não obstante, uma série de medidas que visam a introdução de hábitos saudáveis no estilo de vida e podem ser benéficas para o alívio dos sintomas da TPM.
É, por exemplo, aconselhável a adoção de uma dieta alimentar equilibrada, que privilegie a ingestão de cálcio, vitamina B6, magnésio e hidratos de carbono complexos, e evite o consumo de sal, açúcar, álcool e cafeína. Da mesma forma, podem ajudar os suplementos alimentares com cálcio e magnésio. Deve-se ainda optar por um comportamento alimentar mais regrado: comer pouco mas várias vezes ao dia, evitando longos períodos em jejum.
Também a prática regular de exercício físico pode ter efeitos positivos, em particular no alívio dos sintomas de índole psicológica da TPM. A atividade física não só ajuda a evitar a retenção de líquidos como favorece a produção de endorfinas, que possuem um efeito analgésico e, quando libertadas, estimulam sensações de conforto e bem-estar.
Não sendo unânime (porque também não o é a causa da TPM), a toma da pílula anticoncecional é outro dos métodos mais recomendados para o alívio dos sintomas, já que ajuda à regulação hormonal. A nível medicamentoso, os anti-inflamatórios também podem ser positivos para suportar o desconforto físico.  

 

Voltar ao início