80% dos casos de dermatite atópica surgem no primeiro ano de vida

A dermatite atópica é uma doença crónica da pele que afeta, sensivelmente, 10% das crianças portuguesas

Dermatite atópica – O que é?

A dermatite atópica é uma doença crónica da pele que afeta, sensivelmente, 10% das crianças portuguesas. Cerca de 80% dos casos surgem no primeiro ano de vida, sendo a manifestação menos habitual nas crianças mais velhas e em adultos.
A pele seca e sensível é uma característica comum nas pessoas que sofrem de dermatite atópica, podendo progredir para a formação de feridas que se abrem na pele – que assim perde a sua função de barreira protetora. Habitualmente, a doença resolve-se espontaneamente na adolescência ou na idade adulta, apesar de a pele manter sempre alguma secura e reatividade. Além disso, em 50- 70% dos casos, a melhoria dos sintomas cutâneos coincide com as primeiras queixas de asma e/ou rinite.

Voltar ao início

As causas

Em 50 a 60% dos casos, não é possível encontrar uma causa específica para a dermatite atópica, mas, geralmente, resulta de uma reação alérgica a agentes externos e estímulos ambientais que desencadeiam respostas inflamatórias. Esta tendência alérgica é herdada geneticamente. Os agentes alergénios que mais provocam ou agravam o eczema são:
  • Os ácaros do pó da casa. São o alergénio mais frequentemente associado à dermatite atópica;
  • Pólenes;
  • Fungos;
  • Pelos de animais, como cães e gatos;
  • Alimentos, entre os quais o leite de vaca, o ovo, a noz, a avelã, a amêndoa e o amendoim.

Voltar ao início

Sintomas Dermatite Atópica

  • A comichão intensa é o principal sintoma da dermatite atópica. Em fases de agudização da doença, a comichão é tão intensa que pode prejudicar o sono e, consequentemente, o rendimento escolar ou profissional. Na origem da comichão está o sintoma seguinte;
  • A pele seca, causada por uma carência de determinados ácidos gordos essenciais;
  • Paralelamente, determinadas zonas da pele sofrem um processo inflamatório que se manifesta através de vermelhidão. Esta inflamação é provocada pelo constante coçar e pela colonização por bactérias, que encontram na pele seca o ambiente ideal para a sua proliferação;
  • Nas zonas da pele mais sujeitas à intensa comichão e à agressão do ato de coçar, podem abrir-se lesões, feridas que poderão infetar. Nestas zonas, a pele apresenta-se especialmente espessa e seca;

Nas crianças até aos 2 anos, as lesões de eczema surgem mais frequentemente na face, na parte detrás dos braços e na parte da frente das pernas. Nos adultos, tendem a localizar-se atrás do joelho, no cotovelo e no punho.

Voltar ao início

Medidas preventivas e terapêuticas

Além dos próprios doentes, também os filhos e os irmãos de doentes que tiveram dermatite atópica na infância, bem como as crianças cujos familiares mais diretos tenham alergia respiratória (asma e/ou rinite), devem visitar um imunoalergologista para tentar identificar a eventual sensibilização a agentes alergénios.

Esta identificação poderá permitir tomar medidas preventivas e terapêuticas mais específicas, nomeadamente, fazer imunoterapia. Perante a manifestação dos sintomas, deverá também visitar um dermatologista e seguir estes conselhos:
  • Se tiver sido possível identificar o agente alergénio que está na origem da reatividade da pele, é necessário evitar a exposição a esse mesmo agente. O imunoalergologista saberá aconselhar. Por exemplo, se forem os ácaros do pó da casa, evite a acumulação de pó e use capas protetoras específicas para sofás, colchões e almofadas. Se tiver alcatifas e grandes tapetes em casa, deverá retirá-los. Por mais que aspire, serão sempre grandes acumuladores de pó. O mesmo é verdade para os bonecos de peluche;
  • No banho, utilize produtos especialmente formulados para peles atópicas, que se encontram à venda nas farmácias. São mais suaves e exercem uma ação calmante. A água muito quente agrava a secura e a comichão. Não esfregue a pele para se secar, faça-o com toques suaves da toalha, que deve também ser macia. Com as repetidas lavagens e o passar do tempo, as toalhas ficam mais gastas e abrasivas, acabando por exercer um efeito irritante na pele;
  • Depois do banho, é muito importante manter a pele bem hidratada. Todos os dias, aplique na pele um bom creme com propriedades emolientes e hidratantes que repõem os ácidos gordos e as ceramidas que estão em carência na pele atópica. Ao longo do dia, preste atenção à sua pele, sobretudo às zonas mais sensíveis, e verifique se esta se mantém bem hidratada. Repita a aplicação as vezes que forem necessárias para manter uma boa hidratação;
  • Prefira roupas de algodão. A pele atópica tolera mal os tecidos fibrosos e a lã, porque o suor aumenta a comichão;
  • Evite frequentar locais com ar condicionado e fumo de tabaco;
  • Mantenha as unhas bem cortadas, sobretudo às crianças, para minimizar o impacto quando se coçam e a probabilidade de gerarem escoriações ao coçar-se.

Voltar ao início