Investigação e Inovação

A Angelini tem mais de 40 anos de experiência em investigação e desenvolvimento no sector farmacêutico, desde o desenho de moléculas originais até ao seu registo como produtos farmacêuticos.

A investigação Angelini

No decurso das suas várias décadas de atividade, a Angelini realizou o desenvolvimento completo de vários fármacos. Dois destes, o anti-inflamatório para uso tópico benzidamina e o antidepressivo trazodona, estão difundidos a nível mundial e comercializados em mais de 60 países.

Mais recentemente, a Angelini, depois de ter adquirido a licença da fluoroquinolona prulifloxacina da Nippon Shinyaku, realizou o desenvolvimento completo pré-clínico e clínico deste novo antibiótico com o registo e a comercialização em vários países europeus.

O grupo de investigação Angelini possui as competências e meios para sustentar o desenvolvimento integral de um fármaco, dos modelos in silico, à caracterização pré-clínica, até ao completo desenvolvimento clínico. Estas atividades são desenvolvidas no Angelini Research Center di S. Palomba, Roma, e em centros de excelência científica, sejam públicos ou privados, mediante colaborações com investigadores de fama internacional.

Voltar ao início

Os projectos de investigação

Atualmente o R&D Angelini está empenhado no desenvolvimento de novos fármacos, na identificação de novas indicações para fármacos já comercializados e na ampliação da sua linha de produtos recorrendo a um elevado nível de inovação tecnológica.

Paralelamente a esta atividade de desenvolvimento do seu pipeline, realizado pelo R&D, uma equipa de Search & Development dedica-se, em concertação com a Direcção B&D e à identificação de potenciais parceiros cujos interesses científicos e técnicos convergem com os da Angelini. Tais parceiros são identificados entre as start-up e os grupos de investigação académica de elevado perfil científico, com o objetivo de selecionar as melhores oportunidades de licensing ou de parceria.

O R&D Angelini está atento à visibilidade das suas atividades e coopera com centros de investigação internacionais. Recentemente participou na constituição de um programa de trabalho denominado Italian Drug Discovery Network (IDDN), que inclui tanto outras empresas farmacêuticas italianas, como instituições públicas de investigação. O objetivo da IDDN é o de favorecer a interação entre a investigação pública e privada na identificação de novos compostos farmacologicamente ativos.
O R&D Angelini está ativamente envolvido, junto com outras companhias farmacêuticas, em projetos no campo dos anti-infecciosos e colabora com investigações universitárias em estudos para encontrar moléculas inovadoras para combater a dor e a inflamação.

A Investigação e Desenvolvimento Angelini garante um elevado nível de competência e permite concentrar a atividade dos seus programas de investigação alinhados com o portefólio da empresa. Os principais projetos em curso são relativos às seguintes áreas terapêuticas: dor/inflamação, SNC (perturbações do humor e insónia) e doenças infeciosas.

Voltar ao início

Principais áreas terapêuticas

Dor e inflamação
A investigação Angelini tem conquistado sucessos de longa data nos estudos que desenvolvidos na área da dor e da inflamação, áreas de extrema importância no portfólio da Angelini Farmacêutica. Os temas de investigação incluem estudos sobre o papel das prostaglandinas, citocinas e vias de transmissão serotoninérgica, nos mecanismos de modulação da dor e da inflamação. Atualmente o grupo de investigação está a estudar combinações de moléculas e medicamentos ativos no Sistema Nervoso Central que possam potenciar a sua eficácia e diminuir os efeitos secundários. Estes estudos também incluem a otimização através de novas abordagens na biodisponibilidade e posologia de medicamentos de analgesia.

Sistema Nervoso Central
A área dos medicamentos ativos no SNC, especialmente fármacos para perturbações de humor, é o campo onde a Angelini conseguiu atingir o maior sucesso e reconhecimento a nível mundial.
A introdução do tratamento da depressão major através de práticas clínicas teve lugar nos Estados Unidos, nos anos sessenta e em 1981 houve uma alteração significativa na abordagem terapêutica para o tratamento desta doença.
A Trazodona é ainda utilizada hoje em dia graças à sua larga abrangência a nível neurofisiológico, farmacológico e à sua elevada tolerabilidade.
Tudo isto possibilitou desenvolver uma considerável especialização em bioquímica, fisiologia e farmacologia dos mecanismos neurológicos envolvidos na depressão e em outras perturbações do humor. Ainda hoje, os laboratórios Angelini continuam a desenvolver estudos relativamente aos mecanismos de ação da Trazodona e relativamente a novos componentes ativos para diferentes targets moleculares de doenças neuropsiquiátricas.
Estes estudos lidam com o problema do mecanismo responsável pelas atividades antidepressivas  e pelo seu efeito nos neurotransmissores. Algumas atividades de investigação estão também em curso nos laboratórios Angelini sobre as seguintes patologias do Sistema Nervoso Central: Doença bipolar, esquizofrenia e esclerose múltipla.

Infecção
A partir da experiência do desenvolvimento da prulifloxacina, o departamento de investigação da Angelini ficou cada vez mais interessado nos anti-infeciosos, uma área em que a investigação farmacológica se tornou uma prioridade devido à grave problemática que se tem vindo a desenvolver, da resistência aos antibióticos.
No presente estão a ser desenvolvidos estudos sobre a eficácia de diferentes classes de fármacos (pequenas moléculas, macromoléculas e peptídeos) e de dispositivos médicos criados com tecnologias avançadas de resistência a antibióticos. Para além disso, a unidade de investigação e desenvolvimento da Angelini está a estudar também formas de combater o problema emergente relacionado com a flora macrobiana intestinal, vaginal e da derme, o seu papel em manter o bem estar e as suas alterações nas doenças inoficiosas.

Voltar ao início

O pipeline R&D Angelini

Voltar ao início