Investigação e Inovação

A investigação Angelini

A Angelini tem mais de 50 anos de experiência em investigação e desenvolvimento no sector farmacêutico, desde o desenho de moléculas originais até ao seu registo como produtos farmacêuticos.

No decurso das suas várias décadas de atividade, a Angelini realizou o desenvolvimento completo de vários fármacos. Dois destes, o anti-inflamatório para uso tópico benzidamina e o antidepressivo trazodona, estão difundidos a nível mundial e comercializados em mais de 50 países.

Depois de ter adquirido a licença da fluoroquinolona prulifloxacina da Nippon Shinyaku, realizou o desenvolvimento completo pré-clínico e clínico deste novo antibiótico com o registo e a comercialização em vários países europeus.

Mais recentemente, Angelini reuniu esforços para reforçar a área anti-infecciosa ao licenciar a dalbavancina, um antibiótico lipoglicopeptídeo de segunda geração semi-sintético, usado para o tratamento de ABSSSI (infeções bacterianas agudas da pele e da estrutura da pele). Em 2016, a primeira combinação de paracetamol e ibuprofeno na Europa entrou no portfólio da Angelini.

Voltar ao início

Inovação

As atividades de Inovação são implementadas pelo RR&D (Research, Regulatory & Development), onde R&D, os Assuntos Regulamentares e o Business Development trabalham em conjunto para aumentar e manter o alto nível de inovação, visando garantir um portfólio sustentável da empresa. Para isso, os vários projetos de RR&D são geridos de forma diferenciada para garantir o trabalho mais eficiente possível em cada atividade, sendo classificados em projetos WEP (Well Established Products), com o objetivo de dar apoio à gestão do ciclo de vida de produtos já existentes, bem como ao desenvolvimento de produtos não farmacêuticos inovadores, ambos caracterizados por um curto tempo de vida no mercado, e projetos de NPP (Novos Produtos Farmacêuticos), destinados a promover a inovação com novos produtos farmacêuticos nas áreas centrais, bem como em novos cenários atraentes. De acordo com esta estratégia, todos os departamentos de RR&D são organizados e totalmente integrados para apoiar o desenvolvimento de produtos desde o estágio inicial até o final. Como o grupo Angelini Pharma tem presença direta em 18 países, todos os departamentos de RR&D são centralizados para garantir a correta gestão das necessidades terapêuticas e de mercado, diretrizes e regulamentares, compliance normativa e atividades de farmacovigilância.

Pipeline Dinâmico
A missão da RR&D é construída sobre o conceito de pipeline dinâmico, onde cada projeto pode ser parcialmente ou totalmente desenvolvido internamente ou por parceiros com base nas oportunidades.
A RR&D realiza parcerias estratégicas com destacados grupos nacionais e internacionais, visando identificar soluções inovadoras e aumentar valor e a probabilidade de sucesso dos programas de investigação interna, alimentando ainda mais a rede técnico-científica.
O Business Development é totalmente dedicado a enriquecer o portfólio da empresa, identificando oportunidades externas de alto valor e o desenvolvimento de parcerias. A Unidade de Redes Científicas e Inteligência Competitiva (SN&CI) trabalha em colaboração com os departamentos de Business Development e R&D para identificar grupos de investigação capazes de promover inovação no pipeline RR& D, seja compartilhando os programas de investigação ou adquirindo novos produtos de fase inicial. adequando-os às áreas centrais atuais ou abrindo novos cenários terapêuticos.

Voltar ao início

Principais áreas terapêuticas

Dor e inflamação
A investigação Angelini tem conquistado sucessos de longa data nos estudos que desenvolvidos na área da dor e da inflamação, áreas de extrema importância no portfólio da Angelini Farmacêutica. Os temas de investigação incluem estudos sobre o papel das prostaglandinas, citocinas e vias de transmissão serotoninérgica, nos mecanismos de modulação da dor e da inflamação. Atualmente o grupo de investigação está a estudar combinações de moléculas e medicamentos ativos no Sistema Nervoso Central que possam potenciar a sua eficácia e diminuir os efeitos secundários. Estes estudos também incluem a otimização através de novas abordagens na biodisponibilidade e posologia de medicamentos de analgesia.

Sistema Nervoso Central
A área dos medicamentos ativos no SNC, especialmente fármacos para perturbações de humor, é o campo onde a Angelini conseguiu atingir o maior sucesso e reconhecimento a nível mundial.
A introdução do tratamento da depressão major através de práticas clínicas teve lugar nos Estados Unidos, nos anos sessenta e em 1981 houve uma alteração significativa na abordagem terapêutica para o tratamento desta doença.
A Trazodona é ainda utilizada hoje em dia graças à sua larga abrangência a nível neurofisiológico, farmacológico e à sua elevada tolerabilidade.
Tudo isto possibilitou desenvolver uma considerável especialização em bioquímica, fisiologia e farmacologia dos mecanismos neurológicos envolvidos na depressão e em outras perturbações do humor. Ainda hoje, os laboratórios Angelini continuam a desenvolver estudos relativamente aos mecanismos de ação da Trazodona e relativamente a novos componentes ativos para diferentes targets moleculares de doenças neuropsiquiátricas.

Recentemente, Angelini licenciou uma formulação de lítio de liberação sustentada, a primeira de sempre em Itália, e mostrou-se útil como estabilizador do humor no tratamento do transtorno bipolar. O RR&D está atualmente seguindo os estudos clínicos do produto.
Estes estudos lidam com o problema do mecanismo responsável pelas atividades antidepressivas  e pelo seu efeito nos neurotransmissores. Algumas atividades de investigação estão também em curso nos laboratórios Angelini sobre as seguintes patologias do Sistema Nervoso Central: Doença bipolar, esquizofrenia e esclerose múltipla.

Infecção
A partir da experiência do desenvolvimento da prulifloxacina, o departamento de investigação da Angelini ficou cada vez mais interessado nos anti-infeciosos, uma área em que a investigação farmacológica se tornou uma prioridade devido à grave problemática que se tem vindo a desenvolver, da resistência aos antibióticos.
No presente estão a ser desenvolvidos estudos sobre a eficácia de diferentes classes de fármacos (pequenas moléculas, macromoléculas e peptídeos) e de dispositivos médicos criados com tecnologias avançadas de resistência a antibióticos. Para além disso, a unidade de investigação e desenvolvimento da Angelini está a estudar também formas de combater o problema emergente relacionado com a flora macrobiana intestinal, vaginal e da derme, o seu papel em manter o bem estar e as suas alterações nas doenças inoficiosas.

A Angelini RR&D também está a realizar estudos clínicos pós-comercialização e de gestão do ciclo de vida dos produtos com o objetivo de otimizar a eficácia e estender as indicações terapêuticas do portfólio de produtos.

 

NÃO-PHARMA
A R&D WEP está a trabalhar para identificar e desenvolver produtos cosméticos, nutracêuticos, desinfetantes e biocidas inovadores e dispositivos médicos que complementem os produtos farmacêuticos no portfólio e marcas da empresa.

Voltar ao início

O pipeline R&D Angelini



 

Voltar ao início